PRA CIMA BRASIL – Por Rev. Wellington Ricardo

Rev. Wellington Ricardo – Pastor da Igreja Presbiteriana Simonton Conselheiro Pena

O texto acima é o título de uma música de João Alexandre Silveira, gravada nos anos 90 pelo grupo musical MILAD. Segue a letra:
Como será o futuro
Do nosso país?
Surge a pergunta no olhar
E na alma do povo
Cada vez mais cresce a fome
Nas ruas, nos morros
Cada vez menos dinheiro
Pra sobreviver
Onde andará a justiça
Outrora perdida?
Some a resposta na voz
E na vez de quem manda
Homens com tanto poder
E nenhum coração
Gente que compra e que vende
A moral da nação
Brasil olha pra cima
Existe uma chance
De ser novamente feliz
Brasil há uma esperança!
Volta teus olhos pra Deus,
Justo Juiz!
Como será o futuro
Do nosso país?
Independência ou morte!
Geralmente uso a expressão: PARE E PENSE! Do jeito que caminha a educação em nosso país, esta cada vez mais difícil encontrar pessoas com essa capacidade, mas, vamos lá. Um pouco de história sobre a INDEPENDÊNCIA DO BRASIL.
Infelizmente ainda se ensina sobre a independência do Brasil numa dimensão romantizada, quando esta deveria ser reexaminada numa perspectiva de fatos e críticas nos mais variados âmbitos sócio/politico/econômico. O que esta por traz do “GRITO DA INDEPENDÊNCIA”, Você sabe? Nossos historiadores deveriam fazer algumas revisões quanto a esta realidade e ajudar de uma vez por todas, os nossos adolescentes e jovens a olharem para o futuro com clareza e esperança.
O problema é que a história é sempre contada pelos poderosos, para atender a interesses ideológicos. Afinal, o herege quase nunca é o que vai para a fogueira, mas quem coloca o outro para ser queimado, mas aquele que foi para a fogueira não pode escrever sua história, então se aceita a versão oficial do opressor, que conta o fato conforme lhe interessa, para que não venha a ser culpado nem julgado no futuro. Não gostamos de depor contra nós mesmos, por isto os tribunais buscam testemunhas, pessoas que possam depor e contar outra versão.
O que aconteceu às margens do Ipiranga? D. Pedro, pressionado por interesses de grandes potências econômicas, não tem nenhuma opção a não ser admitir a Independência do Brasil. Contudo, para que isto acontecesse, foi necessário que se pagasse cerca de 2 milhões de liras esterlinas a Inglaterra, dinheiro este proveniente da já enfraquecida e explorada nação Brasileira (quem ler, entenda). Nossa nação teve que amargar esta dívida por muitos anos. Nossa “independência” ao contrário de muitas outras nações, feitas à base de sangue e revolução social aconteceu, literalmente, no grito.
Por isto ainda continua a luta pela independência: Precisamos de autonomia de recursos, de capacitação tecnológica, industrial e principalmente cultural. Precisamos de autonomia na Soberania nacional, de uma revolução na esfera politica de como pensar e fazer política, etc, etc, etc… Contudo, a que mais me preocupa é a NOSSA ESCRAVIDÃO ESPIRITUAL. O Brasil ainda é um país escravizado as suas variedades religiosas. Milhares de pessoas ainda encontram-se cegas e acorrentadas por forças demoníacas, permita-me dois exemplos rápidos: (Primeiro) O caso de Altamira/PA em 2003, um grupo de religiosos envolvidos com rituais de magia negra, mutilou, abusou sexualmente e matou algumas crianças. (Segundo) Vemos pessoas defendendo, entre outras: liberação da maconha, legalização do aborto, Kit Gay nas escolas, existe quem defenda; inclusive a pedofilia, etc, etc, etc…
A nação Brasileira necessita urgente “elevar os olhos para cima (os montes), e fazer a pergunta: de onde me virá o socorro? A resposta é simples: o nosso socorro vem do SENHOR que fez o Céu e a terra” Salmos 121.1-2 (Bíblia Revista e Atualizada de João Ferreira de Almeida – SBB). De fato a nação esta precisando do Evangelho de Jesus, e precisam ser libertas da opressão das obras malignas. Ecoa em nossos ouvidos a profunda e solene declaração de Jesus: “Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. (Jo 8.32).

Comentários

Comentários

Esta matéria foi visualizada289 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *