NECESSIDADE GERA LUCRO – Por José Nilson Rodrigues

Servidor Público, Cristão e pai de Família

Entre aqueles que se dizem cristãos não pode haver excluídos. A injustiça presente no mundo deve nos incomodar e nos levar a uma prática a favor dos menos favorecidos. A Palavra de Deus sempre nos questiona – é impossível ler qualquer texto bíblico e não questionar nossa realidade.
Diferente de nós, Jesus é realista e sempre traz a realidade tal como ela é. Por falta de sensibilidade os discursos estão cada vez mais frios e distantes da realidade. Nós adoramos dizer que Deus faz e fará tudo, o discurso sempre parte da ação de Deus, de nós mesmos nada! Quando depende de nós, tudo está por fazer, más nada se faz. Nós gostamos mesmo é de apagar incêndio. Nossas ações podem amenizar o sofrimento, más não resolve o problema e ficamos nesse faz de conta.
É como disse Dom Helder Câmara: Se dou pão aos pobres, todos me chamam de santo. Se mostro por que os pobres não têm pão, me chamam de comunista e subversivo. Como temos medo de sermos perseguidos, mal tratados, incompreendidos, permanecemos na mesmice e não investigamos, nem denunciamos as causas dos males sociais. Jesus disse: Empregai vossa riqueza em ajudar os pobres, conquistem a amizade deles, compartilhando com eles seus bens.
Assim eles se tornarão vossos amigos, terminado vossa passagem por este mundo e o dinheiro não vos servir para mais nada, os pobres vos acolherão na casa do Pai. Lembra do rico e Lázaro? Desprezar o pobre não é boa coisa.
Em nosso meio há muitos fariseus, mestres da lei, gnósticos, amantes da riqueza, todos são indiferentes às palavras de Jesus, estão mais preocupados em cumprir preceitos religiosos e entendem a riqueza como bênção divina, enquanto a pobreza é desgraça. Toda vez que usufruímos do nosso dinheiro e esquecemos – nos dos mais necessitados, estamos cometendo injustiça.
Não é dar tudo, é partilhar, diminuir as diferenças. Faço uma prece pelas nossas autoridades, religiosas, políticas, judiciárias, comerciais, empresariais, não para que seus projetos dêem certo, costumeiramente são contrários ao projeto de Jesus, mas para que se convertam a favor da justiça, igualdade e fraternidade, isto sim é bom e agradável a Deus. – Por uma sociedade sem males –

***O que você lê aqui é de inteira responsabilidade do autor, não representa necessariamente a opinião do site.

Comentários

Comentários

Esta matéria foi visualizada153 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *