DEZEMBRO VERMELHO, MÊS DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO HIV/AIDS – Por Dr. Luis Eduardo Gonçalves

Nenhum mal pode ser vencido sem a conscientização. É por isso que temos datas para lembrar a luta que milhões de pessoas pelo mundo têm em suas vidas. Seja uma luta contra doenças como o câncer, a AIDS, entre outras, seja uma luta contra as injustiças e a desigualdade social, todos os males devem ser combatidos. E uma das conscientizações que precisamos sempre nos lembrar é quanto à AIDS. Por isso existe o “Dezembro Vermelho”, o mês que nos lembra da importância da conscientização, do combate e da prevenção da AIDS.
O “Dezembro Vermelho” surgiu em 1.987, quando a Assembleia Mundial da Saúde e a Organização das Nações Unidas (ONU) definiram que o dia 1 de dezembro seria o Dia Internacional da Luta Contra a AIDS.
Se você não se lembrar dessa data, provavelmente vai lembrar dessa campanha de conscientização através do símbolo de uma fita vermelha cruzada. A mesma fita que utilizamos como símbolo da luta contra o câncer, mas de outra cor. Vermelho é a cor do sangue e da paixão pela vida, o que também remete à forma como a AIDS é transmitida: pelo sangue.
A transmissão do HIV e, por consequência da AIDS, acontece das seguintes formas: Sexo vaginal sem camisinha; Sexo anal sem camisinha; Sexo oral sem camisinha; Uso de seringa por mais de uma pessoa; Transfusão de sangue contaminado; Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação; Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.
Os sintomas ocorrem nas primeiras duas a seis semanas depois de serem infectadas pelo HIV, algumas pessoas podem apresentar sintomas similares aos de uma gripe, como febre, mal-estar prolongado, gânglios inchados pelo corpo, manchas vermelhas na pele, dor de garganta e dores nas articulações. Algumas pessoas não apresentam nenhum sintoma por muitos anos enquanto o vírus, vagarosamente, se replica. Uma vez que os sintomas desaparecem, a pessoa que vive com o HIV pode não sentir mais nada por muito tempo. A pessoa que vive com o vírus HIV é diagnosticada com a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Sida/Aids) quando seu sistema imunológico está fraco a ponto de não poder mais combater infecções oportunistas e doenças como a pneumonia, a meningite e alguns tipos de câncer. Uma das infecções mais comuns entre pessoas vivendo com o HIV é a tuberculose (TB) que, a cada ano, é a causa de um terço das mortes nessa população
Na última década houve uma queda no número de casos e, então, o problema parecia que ia diminuir. Mas nos últimos anos, principalmente na América Latina, os casos voltaram a aumentar.
Existem tratamentos à base de medicamentos, mas a cura da AIDS ainda não é certa. Por mais que os cientistas se empenhem em melhorar a qualidade dos remédios, ainda não existe uma solução para essa doença. E por isso a campanha de conscientização não pode cair no esquecimento.
Por isso, procure se informar e levantar essa bandeira, pois a AIDS é um perigo real e que ainda não tem cura. Seja no mês de dezembro, ou em qualquer outra época do ano, compartilhe informações úteis sobre a prevenção e o tratamento da doença.
Use sempre camisinha, proteja-se; e procure seu médico Ginecologista regularmente.

Dr. Luis Eduardo Gonçalves Ribeiro  é Médico Generalista- Ginecologia e Obstetra

**O texto é de inteira responsabilidade do seu autor e não representa necessariamente a opinião do Notícias no Leste

Comentários

Comentários

Esta matéria foi visualizada544 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *