ÁGUA… MUDANÇAS DE HÁBITOS SÃO NECESSÁRIAS – Por Valter Andrade*

Quando falamos de meio ambiente, falamos do meio onde habitamos e vivemos o nosso dia a dia. Onde realizamos nossas atividades diárias. Enfim, onde o homem estiver aí é o meio ambiente.
Desenhando um modelo ideal de meio ambiente, logo imaginamos o verde cortado por um pequeno riacho ou mesmo um imponente rio com suas águas cristalinas, escorregando apressadamente pelas cachoeiras ou mansamente pelas planícies.
Mesmo com a degradação ambiental em processo acelerado, passando como um rolo compressor sobre rios e matas, dizimando espécies, apenas por ganância em busca do poder financeiro, ainda é possível desfrutarmos de belas paisagens em ambientes protegidos e respeitado pelo homem.
Como forma de alertar a população quanto a necessidade de preservar o meio ambiente, foram instituídas algumas datas, entre elas o dia da água, o dia do meio ambiente e o dia da árvore, tendo como objetivo específico inserir um novo conceito e uma nova cultura na sociedade de como cuidar e tratar adequadamente a natureza.
Fora as programações promovidas pelas inúmeras escolas distribuídas em todo o país, o que já é um fato relevante, o que mais poderíamos comemorar de concreto em relação à água?
Infelizmente muito pouco, pois a cada dia os números referenciando a degradação ambiental, principalmente no que se refere à água, vêm aumentando gradativamente e a passos largos. A matemática é simples, basta observar a expansão urbana desordenada, trazendo consigo o aumento populacional e com isso a demanda por mais água potável. Em contrapartida os nossos rios já poluídos, assoreados são obrigados a absorver mais esgotos, mais lixos que são despejados diariamente em seus leitos.
Outras técnicas que contribuem para a diminuição dos recursos hídricos são usadas impiedosamente, podendo citar como exemplo o desmatamento e as queimadas. Como saldo, mais assoreamento, mais poluição e o pior, “ a diminuição das águas”.
Quando mencionamos a necessidade de um ambiente ecologicamente equilibrado, ninguém seria hipócrita de entender que um produtor rural teria que manter sua propriedade na totalidade coberta por matas, até porque é o meio de buscar seu sustento, através das atividades desenvolvidas principalmente na agricultura e pecuária, produzindo a maioria dos produtos necessários a sustentabilidade e geração de empregos.
Na verdade o que se busca é o equilíbrio através do consenso, pois a mãe natureza embora benevolente, cobra e dá sua resposta. Dentro de um contexto geral não podemos conformar e achar que as coisas vão acontecer favoravelmente sem ações e atitudes verdadeiras vindas de todos os segmentos da sociedade.
E essa mudança só será possível através de campanhas educativas com ações de intervenção ambiental, começando pela despoluição em massa dos cursos de água, investindo no tratamento dos esgotos, dos resíduos sólidos, eliminar as queimadas e cuidar especialmente das nascentes.

* Sanitarista e servidor da FUNASA

**o texto é de inteira responsabilidade do seu autor e não representa necessariamente a opinião do site.

Comentários

Comentários

Esta matéria foi visualizada593 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *