08 DE MARÇO DIA INTERNACIONAL DA MULHER – Por Dr. Luis Eduardo G. Ribeiro*

“A mulher não é só casa, mulher-loiça, mulher-cama
ela é também mulher-asa, mulher-força, mulher-chama.
E é preciso dizer dessa antiga condição
a mulher soube trazer, a cabeça e o coração.
Trouxe a fábrica ao seu lar, e ordenado à cozinha
e impôs a trabalhar a razão que sempre tinha.
Trabalho não só de parto, mas também de construção
para um filho crescer farto, para um filho crescer são.”
(trecho do poema “Mulher”, de Ary Santos).
Muitas pessoas consideram o 8 de Março apenas uma data de homenagens às mulheres, mas, diferentemente de outros dias comemorativos, ele não foi criado pelo comércio – e tem raízes históricas mais profundas e sérias. Oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975, o chamado Dia Internacional da Mulher é comemorado desde o início do século 20.
Hoje, a data é cada vez mais lembrada como um dia para reivindicar igualdade de gênero e com protestos ao redor do mundo – aproximando-a de sua origem na luta de mulheres que trabalhavam em fábricas nos Estados Unidos e em alguns países da Europa.
O chamado Dia Internacional da Mulher só foi oficializado em 1975, ano que a ONU intitulou de Ano Internacional da Mulher para lembrar suas conquistas políticas e sociais.
Esse dia tem uma importância histórica porque levantou um problema que não foi resolvido até hoje. A desigualdade de gênero permanece até hoje. As condições de trabalho ainda são piores para as mulheres.
As mulheres, no entanto, não têm a sua vida prejudicada somente no mercado de trabalho, uma vez que a violência de gênero, o abandono que muitas sofrem de seu parceiro durante a gravidez, os assédios, são realidades que muitas mulheres sofrem.
O 8 de março é um dia para reflexão a respeito de toda a desigualdade e a violência que as mulheres sofrem no Brasil e no mundo. É um momento para combater o silenciamento que existe e que normaliza a desigualdade e as violências sofridas pelas mulheres, além de ser um momento para repensar atitudes e tentar construir uma sociedade sem desigualdade e preconceito de gênero.
A mulher tem a delicadeza das flores, vigor de ser mãe, o carinho de ser esposa, a reciprocidade de ser amiga, o dom de iluminar a todos com um sorriso. Tem sensibilidade, corre atrás dos seus sonhos com coragem, ama de verdade, não se intimida diante das dificuldades, se arruma e se perfuma, se valoriza e sempre está de bem com a vida.
Parabéns a todas as mulheres, pois são símbolo de garra e determinação, por isso merecem respeito, amor e dedicação.

*Médico Generalista- Ginecologia e Obstetrícia

**o texto é de inteira responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do site

Comentários

Comentários

Esta matéria foi visualizada441 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *