PRECISAMOS FALAR SOBRE DEPRESSÃO PÓS PARTO – Por Dr. Karol Henriques*

No Brasil, o transtorno atinge uma em cada cinco mulheres. O quadro pode se iniciar logo no primeiro mês de vida da criança ou até um ano depois. Cerca de 50% dos casos, na verdade, começam ainda na gestação, só que não são detectados.
Os indícios centrais do problema no pós-parto são os mesmos de qualquer depressão: perda de motivação e prazer, além de uma sensação permanente de vazio e melancolia, tristeza intensa, choro e sensação de arrependimento com a gravidez.
A falta de vitalidade torna a tarefa de cuidar do bebê mais difícil do que já é, causando sofrimento extra.
Pode haver sensação de incapacidade e até desinteresse pela criança.
Quando há o tratamento, são grandes as chances de a pessoa se recuperar e sair fortalecida.
Ajuda familiar, orientação profissional e suporte de grupos de mães podem contribuir para a adaptação às mudanças drásticas dessa fase. Procure ajuda, não se cale, não sofra sozinha!

  • Medicina Humanizada – CRM 58486
  •  O texto é  de inteira responsabilidade de sua autora e não representa necessariamente a opinião do jornal
Esta matéria foi visualizada292 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *