APONTANDO CAMINHOS – Por José Nilson

Desejo que sejamos mais lógicos, mais racionais; que não nos conformemos com as loucuras e imposições do nosso tempo. Meu modo de falar e de agir revelam com o que estou comprometido. Em um sistema de controle, o primeiro a ser atrofiado e reduzido é o pensamento. Para se impor de forma inquestionável as maiorias dos líderes do cristianismo e da política usam de ameaças, imposições e agressões psicológicas, criando uma sociedade de zumbis dissimulados, frutos de reuniões cristãs pouco ou nada comprometidas com a vida, com a realidade social.
Para ser de Deus, não basta freqüentar um templo, instrumento de Deus é toda pessoa que promove a vida. Eu vivo em meio a muita moral cristã e nenhuma ética. Se alguém explora, paga mau e trata mal seus empregados, trai a esposa, trai o marido, age com desonestidade, rouba, não cuida dos filhos, dos pais, a moral religiosa não fala nada. Más se esta mesma pessoa divorcia de seu cônjuge e se une a outra, é excomungada e não é mais digna de freqüentar o agrupamento.
Assim funciona a moral religiosa, impiedosa, excludente e cruel. Confunde-se ética com moral. Porém ética não muda, é o que é, tem haver com consciência, tem haver com o ser. Não tem essa de adaptar para agradar.
Moral tem haver com etiqueta, acordos firmados entre a maioria, porém esses acordos, diferente da ética, alteram de geração em geração, o que para os meus avós era escândalo, hoje é tolerável. Normalmente quem age com ética é chamado de imoral.
Para a sociedade de Jesus, formada por maioria moralista religiosos, consideraram Jesus imoral, porque ele era ético. Jesus curou em dia de sábado, os observadores o acusaram de transgressor da lei, herege, para uma mente farisaica, desobedecer à lei, mesmo que seja para salvar uma vida, equivale a uma desobediência a Deus, como se fosse uma agressão ao céu.
– Por uma sociedade sem males –

  • José Nilson auto intitula-se Sacerdote, Profeta e Rei

**o texto é de inteira responsabilidade do seu autor e não representa necessariamente a opinião do site

Comentários

Comentários

Esta matéria foi visualizada517 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *