PONTE DA AABB – FALTA DE PLANEJAMENTO E INÉRCIA DA PREFEITURA JÁ VAI DEIXANDO O PROBLEMA TOMAR CONTA.

Conselheiro Pena – A Ponte que liga as ruas Cristiano Machado e Quarta e Quinta Avenidas, a chamada ponte de AABB, continua no abandono e a prefeitura vai empurrando o problema. A sensação que se tem, é que a falta de planejamento culminou com a incompetência coroada pela burocracia.

Moradores da 4.ª, 5.ª, 6.ª Avenidas e do entorno do “Polivalente” que fazem uso da ponte para chegar ao centro da cidade, vão ter que mais cedo ou mais tarde,  terem de dar a volta pela rua Antônio Aprígio, porque o período chuvoso já se aproxima e nada ainda foi feito para solucionar o problema.

Toda vez que as chuvas caem e o córrego João Pinto aumenta, o local é interditado, pois tem suas cabeças arrancadas pelas águas e como ela é baixa acaba por prejudicar o fluxo da água que entra nas casas vizinhas.

Durante todo o ano de 2020, foram poucos os meses que a ponte teve o trânsito normal. Na Secretaria de Obras ja fomos informados que a ponte sofrerá reparos e adaptações, mas não foi fixado prazo para a entrega da obra e solução de vez do problema.

A  Prefeitura  realizou no dia 05/03/2021, uma Audiência Pública, sobre a ponte, estando presentes um engenheiro da ARDOCE, Wemerson Passos, que apresentou aos moradores um Projeto com a possível solução dessa ponte que já se arrasta ha anos, e foi duramente criticada pela então vereadora Tia Nádia no mandato passado.

A reunião ocorreu na AABB e serviu também para que os moradores presentes tirassem suas dúvidas referentes ao projeto e apresentassem algumas ideias. Mas até agora, NADA.
Nádia em Audiência pública falando de soluções para a ponte e até agora nada- Com o período das chuvas se aproximando, novamente moradores não poderão utilizar o equipamento
Esta matéria foi visualizada1.398 vezes

Um comentário em “PONTE DA AABB – FALTA DE PLANEJAMENTO E INÉRCIA DA PREFEITURA JÁ VAI DEIXANDO O PROBLEMA TOMAR CONTA.

  • 1 de setembro de 2021 em 09:20
    Permalink

    Não sou engenheiro, não sei o que foi abordado na reunião, acho que não teve engenheiro na construção da atual ponte pois me lembro de passar várias vezes quando era adolescente e quando tinha cheias ainda levava a madeira que passávamos, a passagem de água que ficou embaixo da ponte deve ser de 4 a 5 vezes menor do que era quando era a famosa pinguela então para resolver o problema só demolindo e construindo outra ponte ou fazendo uma extensão da mesma!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *