FRAGMENTO DE LUZ – Por José Nilson*

Salomão Rei de Israel, pediu sabedoria, discernimento, capacidade de saber a diferença entre o que é bom e que é ruim. O Salmo 71/ 72, está escrito que as nações de toda a terra, hão de adorar-vos o Senhor! Ó Deus, confia o teu julgamento ao rei, à autoridade. Que o rei governe com justiça, e os pobres conforme o direito, salve os filhos dos indigentes e esmague seus opressores. Trabalhe para que no seu tempo haja prosperidade, abundância e alimentos para todos. Assim seu nome permanecerá para sempre, sua fama será como o sol, será uma benção, todos o reconhecerão e glorificarão a Deus pela sua vida.

Que nos dias de seu governo floresça a justiça e haja paz, sobretudo para o pobre, para o indigente, para o invisível. Sejas o protetor, tutor, cuidador do miserável, o proteja contra todo tipo de violência, pois estes são preciosos para Deus. O problema é quando a autoridade fez aliança, conchavo, acordo, promessas, prometeu empregos, prometeu obras com muitos para chegar ao poder, isso tem um preço, se torna obrigado, obrigada a empregar a todos e se trona inimigo, inimiga daqueles e daquelas que já estavam lá, coloca cinco para fazer o que um fazia, finge não perceber nada, acaba por comprometer e inviabilizar o governo, pois se tornou refém das próprias ambições. Eu sinto que a minha fala, o meu raciocínio é um ponto fora da curva, foge do que é convencional, daquilo que habitualmente é falado, praticado e aceito como normal. O nome de Jesus deveria incomodar a todos, sobre tudo, quem ocupa cargos públicos, mas não é isso que acontece.

Em muitos momentos Jesus é chamado de Rei, rei é quem governa, comanda, age com autoridade, no caso de Jesus, não passa de um título, pelo fato de ser um rei pacífico, que não carrega ódio no coração, não tem armas, não usa da Lei para castigar nem para matar, não utiliza de sua condição para elevar nem diminuir ninguém, pelo contrário esvazia-se de se mesmo e se faz um igual. Governante que se diz guiado ou guiada por Deus, não persegue e nem prejudica ninguém, não se deixa levar pelo ódio e pela indiferença.

Autoridades tem voz, tem referência, conta com credibilidade de muitos, tem influência, formam opinião, se tudo isso for colocado a serviço da justiça, da bondade e da paz, o Reino de Deus não estará tão distante. – Por uma sociedade sem males –

  • José Nilson se declara, Sacerdote, profeta e rei.
  • * Os texto é de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do jornal
Esta matéria foi visualizada196 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *