FRENECTOMIA X FRENOTOMIA. QUAL A DIFERENÇA ? – Por Dra. Fátima Zambon*

Os freios consistem em pregas de membrana mucosa com tecido fibroso e são estruturas dinâmicas sujeitas a variações na forma, tamanho e posição durante os diferentes estágios de crescimento do indivíduo.

Segundo a literatura, freios labiais possuem a função de limitar os movimentos dos lábios, promovendo a estabilização da linha média e impedindo a excessiva exposição da gengiva. Já o freio lingual tem a função de limitar o movimento da língua para favorecer a deglutição, fala e fonação.

Em alguns casos, pode haver alteração na função, caracterizando freio labial patológico, em que há presença de diastema interincisal, problemas estéticos, acúmulo de biofilme, tracionamento anormal do lábio superior, dificuldade de escovação e na fonética de algumas letras.

Logo, é comum que procedimentos sejam feitos com o intuito de reparar eventuais distúrbios nos freios, seja labial ou lingual. Os mais conhecidos são a Frenotomia e a Frenectomia.

Nesse artigo, vamos conferir as principais diferenças entre esses procedimentos cirúrgicos, abordando de forma simplificada o processo de diagnóstico, bem como as etapas clínicas.

Diferença entre frenotomia e frenectomia

Os nomes podem ser um tanto parecidos, contudo, existem diferenças entre os procedimentos.

Frenotomia: procedimento tem como objetivo cortar ou dividir o freio. Bastante utilizado em pacientes odontopediátricos.

Frenectomia: procedimento cirúrgico que visa a remoção do freio labial, lingual e bridas, permitindo tanto a movimentação ortodôntica para fechamento de diastemas, como a movimentação adequada da língua, necessária às atividades funcionais.

Benefícios da Frenectomia labial e/ou lingual

A frenectomia traz inúmeros benefícios para o paciente, principalmente, considerando que é comum realizar o procedimento em crianças.

Ela possibilita a movimentação e o posicionamento (repouso) ideal da língua, contribuindo na pronúncia adequada de sílabas e palavras, reduz a chance de retração gengival e promove uma higiene mais adequada.

Além disso, em casos de diastema, permite uma movimentação ortodôntica facilitando o tratamento.

Benefícios da Frenotomia

A Frenotomia deve ser realizada sempre que a aquiloglossia causar algum prejuízo as funções estomatognáticas de uma criança, sendo muito utilizada em neonatos.

O procedimento permite uma melhor amamentação, tanto para mãe quanto para o bebê, influenciando diretamente na nutrição correta da criança.

Além disso, possibilita uma melhor movimentação da língua, e, consequentemente, melhor pronúncia das palavras ao desenvolver a dicção contribuindo para o desenvolvimento psíquico-emocional do paciente.

Diagnóstico e indicações de Fretonomia em bebês

A frenotomia pode ser indicada para bebês que apresentem dificuldades na amamentação natural, durante os primeiros meses de vida. Esta cirurgia é realizada após o Teste da Linguinha (TL), este é feito em crianças recém-nascidas ou com até seis meses de idade.

Caso exista alguma anomalia na movimentação da língua durante a sucção por parte do bebê, tem-se como efeito uma dor persistente no mamilo materno, lesões na área e problemas no amparo da pega (AGOSTINI, 2014).

Sempre fique atento aos sinais de anquiloglossia dos bebês, nem sempre o diagnóstico é realizado no primeiro mês de vida.

Questionar sobre amamentação, movimentação lingual, irritabilidade da criança, etc. Ter uma visão geral do contexto é importante para um bom diagnóstico e plano de tratamento.

Como é feita a Frenotomia em bebês?

paciente é submetido ao exame clínico, onde realiza-se o levantamento da língua, analisado a forma, a inserção e o repouso dos lábios. Diante das informações coletadas, é realizado o diagnóstico de anquiloglossia, seguindo com a elaboração do planejamento cirúrgico.

 Cuidados pós-operatórios

Os cuidados pós-operatórios são fundamentais para evitar possíveis complicações e devem ser, de preferência, entregues por escrito ao paciente ou responsáveis após o procedimento.

São eles:

  • alimentação líquida/pastosa e fria nos primeiros dois dias;
  • manter repouso;
  • ao dormir, manter a cabeça em posição elevada (utilizando dois travesseiros abaixo da nuca).
  • nunca dormir com a barriga voltada para a cama – para evitar sangramento, por ser uma área muito vascularizada (principalmente língua);
  • evitar calor, locais quentes, exposição ao sol e atividade física até a remoção da sutura;
  • não cuspir;
  • não fumar;
  • manter uma ótima higiene oral para evitar infecções, inclusive utilizar fio dental delicadamente;
  • escovar os dentes com escova macia de cabeça pequena, preservando o local da cirurgia (não escovar a região da cirurgia);
  • não realizar bochecho nas primeiras 72 horas;
  • higienizar o local da cirurgia delicadamente com cotonete embebido em solução à base de clorexidina a 0,12% (quando possível);
  • tomar corretamente a medicação prescrita, seguindo corretamente o horário estipulado.

Além disso, na maior parte dos casos, o indivíduo deve passar a ser acompanhada por um profissional fonoaudiólogo. Tal profissional avaliará a deficiência do paciente e orientará o último com exercícios que melhorarão sua motricidade lingual auxiliando, por fim, na melhora da pronúncia das palavras.

Em suma, a frenectomia e a frenotomia são procedimentos considerados de risco pois é uma área muito vascularizada, logo, riscos de hemorragias não devem ser descartados.

Para concluir tenha sempre referência de bons odontopediatras.

  • Dra. Fátima Zambon é Cirurgiã Dentista – Especialista em Odontopediatria
  • O texto é de inteira responsabilidade da autora
Esta matéria foi visualizada191 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *