A IMPORTÂNCIA DO VOTO – Por João Batista Inácio*

A política está sempre por todos os lados, nas escolas, no trabalho, em nossas casas e em fim, onde há um agrupamento de pessoas com determinado objetivo, há ali o fenômeno político, a palavra política tem sua origem no grego, politiké, o surgimento da politica aconteceu na Grécia antiga, depois da formação das cidades gregas que eram chamadas de cidade estado, não tem como vivermos sem a política em nossas vidas, quando, por exemplo, um pai negocia com seu filho o horário de chegar em casa a noite, ali há um fenômeno político, quando surgiu a instituição chamada política na antiga Grécia, surgiram também os atores políticos, eram pessoas que iam para a polis(cidade) para solucionar os conflitos e demandas existentes naquela sociedade.
É comum em nossa sociedade atual ouvirmos um grande número de pessoas dizerem que odeiam a política e os políticos, isso é compreensível, pois como em toda profissão, na política também existem pessoas com más intenções, nós sempre reclamamos de nossos governantes, na maioria das vezes com razão, mas vivemos em um País democrático, embora nossa democracia seja nova e ainda fraca, nós temos o poder de escolher nossos governantes, embora o eleitor tenha evoluído e aprendido muito ao longo do tempo, nós ainda cometemos vários erros no momento da escolha de
um governante, um desses erros é votar usando a emoção, na maioria das vezes votamos no “coitadinho” ou no “artista” ou até mesmo no ”palhaço”, este erro tem trazido consequências catastróficas em nossa sociedade. Como dizia Nicolau Maquiavel (1469-1527), no livro ”o príncipe” (1513) ”o povo que aceita passivamente a corrupção e os corruptos, não merecem a liberdade”.
Na hora de escolher um candidato ao executivo(prefeito) por exemplo, é preciso analisa-lo bastante, sua conduta, sua capacidade, se o candidato conhece bem as demandas da sociedade em que irá gerir, é sabido que não é fácil ter controle das finanças até mesmo de nossos lares, agora imagine um município, por exemplo, que possui todo um aparato complexo como o orçamento público que detalha a cada ano a previsão dos recursos a serem arrecadados; impostos, taxas e outras receitas e também a destinação a ser dada a estes recursos e também dentro desse orçamento o PPA(plano prure anual) a LDO(lei de diretrizes orçamentaria) e a LOA (lei orçamentária anual), é preciso ter responsabilidade na hora da escolha dos candidatos a cargos eletivos, não se pode esquecer que são quatro anos de avanço ou retrocesso, dependendo de nossas escolhas, lembremos sempre que todos pagarão pela má escolha de alguns, o poder na mão de um indivíduo incapaz, leva a decadência de toda uma sociedade.

* Bacharel em Ciência Política
Pós-graduado em Políticas Públicas e Gestão Governamental

**o texto acima é de inteira responsabilidade de seu autor e não representa necessariamente a opinião do site

Esta matéria foi visualizada302 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *